A Coragem Compartilhada em Atos 24: O Exemplo de Paulo na Fé

0

Introdução:

Atos 24 nos mostra o relato de Paulo sendo julgado por Félix, o governador romano, acusado por Tértulo e pelos judeus da cidade. É um exemplo maravilhoso da fé e coragem de Paulo diante das circunstâncias desfavoráveis. Ele usa a oportunidade para compartilhar o Evangelho de Cristo com Félix e sua esposa Drusila, embora eles não sejam convertidos. Paulo nos ensina que devemos estar prontos para dar testemunho de nossa fé a qualquer momento, mesmo diante de circunstâncias desfavoráveis. É um exemplo de como devemos confiar em Deus para nos guiar e nos mostrar o caminho certo.

Salmo Atos 24

Conteúdo

Tabela sobre Atos 24

Personagem Lição
Ananias A importância de seguir a lei e a justiça, mesmo quando há pressão para não fazê-lo.
Tértulo A importância de usar a palavra para defender aqueles que não têm voz.
Félix A importância de tomar decisões justas e imparciais, mesmo quando há pressão para tomar decisões diferentes.
Paulo A importância de manter a fé, mesmo quando a vida parece difícil.
Lísias A importância de defender aqueles que não têm voz.
Drusila A importância de buscar a verdade, mesmo quando as crenças do passado são difíceis de abandonar.
Pórcio Festo A importância de buscar a verdade e a justiça, mesmo quando há pressão para tomar decisões diferentes.

Atos 24

1 E, cinco dias depois, o sumo sacerdote Ananias desceu com os anciãos, e um
certo Tértulo, orador, os quais compareceram perante o presidente contra Paulo.

2 E, sendo chamado, Tértulo começou a acusá-lo, dizendo: Visto como por ti temos
tanta paz e por tua prudência se fazem a este povo muitos e louváveis serviços,

3 Sempre e em todo o lugar, ó potentíssimo Félix, com todo o agradecimento o
queremos reconhecer.

4 Mas, para que não te detenha muito, rogo-te que, conforme a tua eqüidade, nos
ouças por pouco tempo.

5 Temos achado que este homem é uma peste, e promotor de sedições entre todos os
judeus, por todo o mundo; e o principal defensor da seita dos nazarenos;

6 O qual intentou também profanar o templo; e nós o prendemos, e conforme a
nossa lei o quisemos julgar.

7 Mas, sobrevindo o tribuno Lísias, no-lo tirou de entre as mãos com grande
violência,

8 Mandando aos seus acusadores que viessem a ti; e dele tu mesmo, examinando-o,
poderás entender tudo o de que o acusamos.

9 E também os judeus consentiam, dizendo serem estas coisas assim.

10 Paulo, porém, fazendo-lhe o presidente sinal que falasse, respondeu: Porque
sei que já vai para muitos anos que desta nação és juiz, com tanto melhor ânimo
respondo por mim.

11 Pois bem podes saber que não há mais de doze dias que subi a Jerusalém a
adorar;

12 E não me acharam no templo falando com alguém, nem amotinando o povo nas
sinagogas, nem na cidade.

13 Nem tampouco podem provar as coisas de que agora me acusam.

14 Mas confesso-te isto que, conforme aquele caminho que chamam seita, assim
sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na lei e nos
profetas.

15 Tendo esperança em Deus, como estes mesmos também esperam, de que há de haver
ressurreição de mortos, assim dos justos como dos injustos.

16 E por isso procuro sempre ter uma consciência sem ofensa, tanto para com Deus
como para com os homens.

17 Ora, muitos anos depois, vim trazer à minha nação esmolas e ofertas.

18 Nisto me acharam já santificado no templo, não em ajuntamentos, nem com
alvoroços, uns certos judeus da Ásia,

19 Os quais convinha que estivessem presentes perante ti, e me acusassem, se
alguma coisa contra mim tivessem.

20 Ou digam estes mesmos, se acharam em mim alguma iniqüidade, quando compareci
perante o conselho,

21 A não ser estas palavras que, estando entre eles, clamei: Hoje sou julgado
por vós acerca da ressurreição dos mortos.

22 Então Félix, havendo ouvido estas coisas, lhes pôs dilação, dizendo:
Havendo-me informado melhor deste Caminho, quando o tribuno Lísias tiver
descido, então tomarei inteiro conhecimento dos vossos negócios.

23 E mandou ao centurião que o guardasse em prisão, tratando-o com brandura, e
que a ninguém dos seus proibisse servi-lo ou vir ter com ele.

24 E alguns dias depois, vindo Félix com sua mulher Drusila, que era judia,
mandou chamar a Paulo, e ouviu-o acerca da fé em Cristo.

25 E, tratando ele da justiça, e da temperança, e do juízo vindouro, Félix,
espavorido, respondeu: Por agora vai-te, e em tendo oportunidade te chamarei.

26 Esperando ao mesmo tempo que Paulo lhe desse dinheiro, para que o soltasse;
pelo que também muitas vezes o mandava chamar, e falava com ele.

27 Mas, passados dois anos, Félix teve por sucessor a Pórcio Festo; e, querendo
Félix comprazer aos judeus, deixou a Paulo preso.

Mensagem crista Atos 24

Atos 24 – O Julgamento de Paulo

O capítulo 24 de Atos nos relata o julgamento de Paulo diante do governador romano Félix. No versículo 1, vemos que o sumo sacerdote Ananias, acompanhado de alguns anciãos e de um orador chamado Tértulo, comparecem perante o presidente para acusar Paulo.

A Acusação de Tértulo

Tértulo começa sua acusação dizendo que, por causa de Paulo, o povo tem tido muita paz e muitos serviços louváveis (v.2). Ele também o acusa de ser uma peste, de promover sedições entre os judeus e de ser o principal defensor da seita dos nazarenos (v.5). Ele ainda acusa Paulo de tentar profanar o templo (v.6).

A Defesa de Paulo

Paulo então se defende dizendo que, há apenas 12 dias, ele havia subido a Jerusalém para adorar e que não foi encontrado cometendo nenhuma das acusações (v.11). Ele ainda afirma que continua a servir ao Deus de seus pais de acordo com a lei e os profetas (v.14). Ele também afirma que acredita na ressurreição dos mortos, tanto dos justos quanto dos injustos (v.15). Ele termina a sua defesa dizendo que procura sempre ter uma consciência sem ofensa para com Deus e os homens (v.16).

O Julgamento de Félix

Félix, ouvindo a defesa de Paulo, concede a ele um adiamento, dizendo que, quando o tribuno Lísias descer, ele tomará conhecimento dos negócios (v.22). Ele ainda manda que Paulo seja tratado com brandura (v.23). Alguns dias depois, Félix volta com sua mulher, Drusila, e ouve Paulo falar sobre a fé em Cristo, a justiça, a temperança e o juízo vindouro (v.24). Félix, então, espavorido, responde que o deixará ir, mas só se ele lhe der dinheiro (v.25).

O Sucessor de Félix

Dois anos depois, Félix é sucedido por Pórcio Festo. Neste momento, Félix decide deixar Paulo preso para agradar os judeus (v.27).

Portanto, este capítulo nos mostra a importância de termos uma consciência limpa e de buscarmos a justiça e a temperança, mesmo diante de situações difíceis. Também nos mostra que, mesmo em meio às circunstâncias mais desfavoráveis, a fé em Cristo nos dará forças para enfrentar qualquer dificuldade.

Introdução a Atos 24

Atos 24 relata a acusação de Tértulo contra Paulo ao presidente Félix. Tértulo alegou que Paulo era uma “peste” para os judeus e o principal defensor da seita dos nazarenos, além de ter tentado profanar o templo. Paulo então se defendeu, alegando que havia ido a Jerusalém apenas há 12 dias para adorar, e que não foi encontrado em nenhum alvoroço ou ajuntamento. Ele também disse que acreditava em tudo o que está escrito na lei e nos profetas, além de ter ido a Jerusalém para levar ofertas à sua nação.

O Exame de Félix

Após a defesa de Paulo, Félix dá um sinal para que Paulo fale. Paulo então explica sua fé em Cristo e sua esperança na ressurreição dos mortos. Félix, perturbado com o que ouviu, dá uma prisão a Paulo, mas lhe dá tratamento brando e permite que seus amigos o visitem.

A Prisão de Paulo

Após dois anos de prisão, Félix é substituído por Pórcio Festo. Para complacer os judeus, Félix deixa Paulo preso.

FAQ sobre Atos 24

Pergunta: Quem é Tértulo?

Resposta: Tértulo é um orador que compareceu perante o presidente Félix para acusar Paulo.

Pergunta: O que Paulo foi acusado de ter feito?

Resposta: Paulo foi acusado de ser uma “peste” para os judeus, de ser o principal defensor da seita dos nazarenos e de ter tentado profanar o templo.

Pergunta: Como Paulo se defendeu?

Resposta: Paulo alegou que havia ido a Jerusalém apenas há 12 dias para adorar, e que não foi encontrado em nenhum alvoroço ou ajuntamento. Ele também disse que acreditava em tudo o que está escrito na lei e nos profetas, além de ter ido a Jerusalém para levar ofertas à sua nação.

Pergunta: Por quanto tempo Paulo foi preso?

Resposta: Paulo foi preso por dois anos.

Leave A Reply

Your email address will not be published.