História do Cristianismo

Olá, hoje a viagem é pela história do cristianismo. Conheça agora com o Demonstre a história de uma das maiores religiões da história.

Cristianismo

Transformado em religião oficial do Império Romano, em 392, por Teodósio, a igreja estrutura-se como poder temporal e Estado Pontifício, entre 440 e 752. Em 440, Leão I determina o primado da Igreja Romana sobre as demais.

A partir de 492 Roma começa a difundir a doutrina dos dois poderes, pela qual os bispos são responsáveis perante Deus pelos soberanos temporais, que devem ficar subordinados à Igreja. O papa, pai da Igreja e bispo de Roma, não pode ser julgado por ninguém.

Em 590 Gregório I centraliza os bens eclesiásticos, estabelece as bases do poder territorial do papado e transforma o bispo de Roma no soberano temporal da cidade.

Estrutura da Igreja

Entra em processo final de consolidação em 752, quando o papa Estêvão II utiliza um documento falso de doação (Donatio Constantini), pelo qual Constantino teria cedido ao papa a cidade de Roma e metade do Império Romano do Ocidente.

O Estado Pontifício passa a ter poder sobre os imperadores, que, para serem reconhecidos, devem ser coroados pelo papa. A partir de 860 todo o aparato administrativo da Igreja é centralizado em Roma, que age como monarquia absolutista (Santa Sé).

Os legados pontifícios controlam os reis e imperadores cristãos. No final do século XII, reinos como os da Inglaterra, Sicília e Portugal tornam-se feudos da Igreja.

Monopólio cultural

Diante da possibilidade de perder o monopólio cultural, devido ao surgimento de heresias e movimentos reformadores, o papado passa a incentivar, desde o século XI, a formação de centros de estudos.

Mosteiros, catedrais (escolas monacais) e escolas episcopais centralizam os debates sobre a reforma da Igreja e desenvolvem-se em centros docentes mais ambiciosos, as universidades. Nestas o ensino é ministrado em latim e escalonado em diversos graus.

A Universidade de Salerno é fundada em 1087, Bolonha em 1119, Paris em 1150, Módena e Oxford em 1168, Pádua em 1222 e Valência em 1245. Com a formação de centros culturais submetidos às ordens religiosas, a Igreja mantém sob seu controle o ensino e a produção cultural.

Santo Tomás de Aquino (1225-1274)

Santo Tomás de Aquino (1225-1274), teólogo e escolástico católico italiano. Torna-se famoso ao escrever a Summa contra gentiles e a Summa theologica, inspiradas em Aristóteles, nas quais tenta conciliar o natural e o sobrenatural e a razão e a fé, complementadas segundo critério de subordinação.

Santo Tomás de Aquino

Sua doutrina recebe o nome de tomismo e limita a filosofia à teologia, o que resulta na reação de outros escolásticos e na formação de correntes filosóficas diferentes.

Enfraquecimento da Igreja

Começa no século XIV, como conseqüência dos choques de interesse com as monarquias ascendentes. Outros motivos são o alastramento da corrupção, o aumento da resistência às cobranças da Igreja, a eclosão do cisma ocidental e a proliferação das heresias.

A questão das investiduras

A partir de 1075, ocorre a disputa entre o Império Germânico e o papado sobre o direito dos clérigos de receberem cargos dos laicos. A disputa descamba em guerra civil, na ocupação de Roma por tropas germânicas e na intervenção dos normandos para libertar o papa.

Um acordo surge na Concordata de Worms, em 1122. A investidura temporal dos bens seculares cedidos em feudo fica separada da investidura canônica, privativa da Igreja.

O cativeiro de Avignon

Resulta da disputa entre o papa Bonifácio VIII e o rei Felipe IV, da França, a partir de 1294. Bonifácio reafirma a supremacia universal do papa, pretendendo limitar o poder do rei francês. Este convoca um concílio nacional contra Bonifácio, em 1302, enquanto o chanceler francês Nogaret prende o papa em Agnani.

Desde então, são entronizados diversos papas franceses e, em 1309, a Santa Sé é transferida para Avignon. A Igreja perde autoridade e só volta a fixar a sede da Santa Sé em Roma em 1377.

O grande cisma do Ocidente

Entre 1378 e 1417, ocorre uma divisão na Igreja Católica com a instalação de dois papados rivais, um em Roma e outro em Avignon, na França. O Grande Cisma do Ocidente termina com o pontificado de Martinho V, em 1417.

Cruzadas

Expedições militares organizadas pelos cristãos europeus, desde o final do século XI, para combater os muçulmanos e cristianizar os territórios da Ásia Menor e Palestina, ocupados por tribos turcas.

As cruzadas oficiais, oito no total, nos séculos XII e XIII, são formadas por cavaleiros e dirigidas por nobres, príncipes ou reis. As expedições também têm motivações não-religiosas, como a abertura das rotas terrestres de comércio com o oriente, novas conquistas territoriais, mesmo contra reinos cristãos, alianças para derrotar concorrentes feudais e decidir disputas dinásticas.

Cruzada dos Mendigos

É a primeira cruzada extra-oficial. Organizada pelo pregador Pedro de Amiens, conhecido como Pedro, o Eremita, que reúne mendigos e ataca tribos árabes em 1096. São todos aniquilados.

Cruzada dos Barões

É a primeira cruzada oficial. Organizada por Godofredo de Bulhões, chega até a Terra Santa em 1097 e toma Jerusalém, onde é fundado um reino cristão.

Bulhões recebe o título de defensor e barão do Santo Sepulcro. Para defender o território conquistado são criadas as ordens dos hospitalários e dos templários, de caráter militar e religioso.

Cruzada das Crianças

Organizada em 1212, na onda do fervor religioso iniciado pelas cruzadas anteriores. Milhares de adolescentes embarcam em Marselha e são conduzidos pelos armadores a Alexandria. Quase todas morrem pelo caminho de fome e cansaço. As que resistem são vendidas como escravas.

Inquisição

Tribunal episcopal criado para inquirir e punir as doutrinas contrárias à ortodoxia cristã. Até o século XII as heresias são punidas pela Igreja com desterro e enclausuramento.

A partir da criação do tribunal episcopal e do tribunal papal (1231), estabelece-se a tortura e a pena de morte. A ação inquisitorial contra os hereges estende-se pelos reinos católicos durante os séculos XIV ao XIX (na península Ibérica).

Perguntas frequentes sobre a história do Cristianismo

Onde surgiu o Cristianismo?

O Cristianismo espalhou-se em Jerusalém, sendo posteriormente espalhado por todo Oriente Médio.

Quando o Império Romano se tornou cristão?

O Cristianismo se tornou religião no Império Romano em 380 d. C.

Como o Cristianismo surgiu no Império Romano?

Com as perseguições sofridas pelos cristãos, a religião acabou se fortalecendo, aumentando o número de seguidores da religião.

Como era feita a perseguição dos cristãos pelos romanos?

Nas perseguições sofridas, os cristãos sofreram diversas torturas, muitas vezes queimando-os vivos ou colocando-os como comida por feras.

Qual o objetivo das perseguições?

O objetivo era impedir que o Cristianismo se espalhasse pelo Império.

Como o Cristianismo se tornou a religião oficial de Roma?

O imperador Constantino se converteu à religião em 313, permitindo-a em todo o Império. Anos mais tarde, mais precisamente em 391, a religião se tornou a religião oficial de Roma.

Referências bibliográficas da História do Cristianismo

  • CANTU, Cesare. História universal. São Paulo: Ed. das Américas, 1967-1968.
  • AQUINO, Rubim Santos Leão de, et al. História das sociedades: das sociedades modernas as sociedades atuais. 18.ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, (1989?).
  • POMER, Leon; PINSKY, Jaime. O surgimento das nações. 3.ed. Campinas: UNICAMP, 1987.
  • GRIMBERG, Carl; SVANSTROM, Ragnar. História universal. Lisboa: Europa-América, 1940.
  • WELLS, H. G. História universal. 7.ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1968.
  • ALBA, André. Tempos modernos. São Paulo: Mestre Jou, 1968.
  • CORVISIER, André. História moderna. 3.ed. São Paulo: DIFEL, 1983.
  • TOYNBEE, Arnold J. Estudos de História contemporânea. São Paulo: Nacional, 1967.

Sobre

Besoul is fascinating about clothes, happy living and beauty! We want you to share our interests and find something you might love from your heart. We regularly post news and blogs to make you happy!
© 2019 Site feito pelo grupo B20.