Quem foi São João Maria Vianney?

0

São João Maria Vianney é um santo da Igreja Católica considerado o padroeiro dos párocos. Sua memória litúrgica é celebrada anualmente no dia 4 de agosto, mês dedicado às vocações. Mas você já se perguntou quem é este santo e por que sua história é tão querida pelos católicos?

Conteúdo

A origem de São João Maria Vianney?

A história de São João Maria Vianney retrata um homem simples e humilde desde o início. Ele nasceu no dia 8 de maio de 1786 em um pequeno vilarejo chamado Dardily, na cidade de Lyon, França. Seus pais eram camponeses e João era o quarto filho do casal. 

Até sua juventude, São João Maria Vianney trabalhava no campo com seus pais para ajudar no sustento da família. Sua alfabetização só ocorreu quando foi aberta uma pequena escola no vilarejo onde morava e só então começou a falar francês, pois até este momento falava apenas o dialeto local. Contudo, estudou apenas dois anos.

Um fato presente durante a maior parte da vida de São João Maria Vianney foi a Revolução Napoleônica, que abalava a França, seu país natal e de onde o santo nunca saiu.

A vocação de São João Maria Vianney

Ainda na infância, São João Maria Vianney manifestava os primeiros sinais de sua vocação. Mesmo com toda demanda de trabalho no campo junto aos seus pais, ele sempre encontrava tempo para se recolher e rezar.

A vocação de São João Maria Vianney
A vocação de São João Maria Vianney. Fonte/Reprodução: original.

Quando descobriu que sua vocação era a vida sacerdotal, São João Maria Vianney encontrou a oposição de seu pai, além das pressões dos homens de Napoleão Bonaparte que desistimulavam aqueles que queriam ingressar no clero católico. 

Devido a todos os obstáculos impostos pelas situações da época, São João Maria Vianney só conseguiu ingressar no seminário quando tinha vinte anos de idade, mas mesmo que o primeiro já estivesse dado, mais dificuldades seriam apresentadas ao jovem.

São João Maria Vianney só aprendeu a ler aos 18 anos de idade e isso o atrasou muito nos estudos do seminário. A história conta que ele tinha dificuldades de raciocínio lógico e não conseguia acompanhar os estudos de Latim, Filosofia e Teologia. Por outro lado, ele era muito obediente, dado a vida de oração e exemplo de caridade.

Por graça de Deus é que São João Maria Vianney conseguiu concluir o período no seminário e foi ordenado sacerdote no dia 13 de agosto 1815. Porém, foi imposto um impedimento às suas atividades de padre: ele não poderia ministrar o sacramento da confissão. A justificativa era que ele não teria capacidade intelectual para aconselhar os fiéis.

Os primeiros três anos de São João Maria Vianney foram vividos no seminário de Écully, sob a supervisão do padre Balley para que concluísse seus estudos.

Neste período, o padre Balley constatou que São João Maria Vianney era um homem de muita oração, piedade, santidade e deu parecer positivo para que fosse liberado e pudesse atender confissões e exercer seu ministério sacerdotal de forma plena.

O sacerdócio em Ars

Em 1818, após concluir seus estudos no seminário de Écully, São João Maria Vianney foi designado para Ars, sua primeira e única paróquia e local onde desenvolveria seu ministério sacerdotal de forma surpreendente, de modo que sua história fosse contada até os dias atuais.

As dificuldades

Ars era uma aldeia pagã famosa por ser violenta, ter tabernas sempre lotadas e praticamente nenhum cristão nas igrejas. Nenhum padre queria ficar naquela região por conta destas dificuldades, mas São João Maria Vianney aceitou o desafio.

Em fevereiro de 1818, São João Maria Vianney chegou na cidade de Ars em uma pequena carroça levando alguns poucos pertences e orientado por um menino que era morador da região. 

São João Maria Vianney em Ars-sur-Formans

O nome completo da aldeia onde São João Maria Vianney viveu como sacerdote era Ars-sur-Formans, mas era conhecida apenas como Ars. Lá ele residiu por 41 anos e transformou a região.

Por meio da vida de oração, testemunho, exemplos e catequese, passados 13 anos da chegada de São João Maria Vianney em Ars, a situação na aldeia já era completamente diferente daquela de quando ele chegou.

Agora as igrejas estavam cheias e os fiéis procuravam pelo padre. O movimento das tabernas era praticamente nulo e os índices de violência desapareceram.

O cura D’Ars

São João Maria Vianney era conhecido como cura D’Ars e até hoje utilizam esta expressão ao falar dele. O termo cura significa vigário e logo isso faz menção ao que Vianney foi: vigário de Ars.

O poder do confessionário de São João Maria Vianney

Se no começo da vida sacerdotal São João Maria Vianney foi proibido de atender confissões, este acabou sendo o sacramento que mais ministrou ao longo de sua vida como padre.

Há relatos de que São João Maria Vianney chegava a ficar mais de 16 horas no confessionário ministrando o sacramento da Reconciliação.

Sua fama como confessor chegou a ser tão grande na época que pessoas de diversas partes da Europa iam até Ars para ver São João Maria Vianney, se confessar com ele e ouvir seus conselhos e orientações.

Exemplo de vida até a morte

São João Maria Vianney morreu em 4 de agosto de 1859, aos 73 anos de idade e 44 anos de sacerdócio. Viveu e morreu em sua primeira e única paróquia fazendo o que amava: rezando, evangelizando e ensinando.

Canonizado em 1925 pelo Papa Pio XI, São João Maria Vianney é considerado o santo padroeiro dos párocos. Seu corpo, incorrupto, está exposto na igreja da paróquia de Ars e ainda hoje sua história é contada nos seminários de todo o mundo e sua dedicação aos sacramentos, sobretudo o da confissão, são tomados como exemplo pelo clero católico.

Leave A Reply

Your email address will not be published.